segunda-feira, 14 de março de 2016

Hostilizados por manifestantes, Aécio e Alckmin ficam meia hora na Paulista

O governador Geraldo Alckmin e o senador Aécio Neves (MG), ambos do PSDB, foram hostilizados em sua breve passagem pelo ato pró-impeachment ocorrido neste domingo (13) na avenida Paulista. A participação deles durou um pouco mais de 30 minutos. 
Ao chegar, numa vão, nos fundos do Masp, a dupla foi recebida por xingamentos, como "bundões" e "oportunistas". Para encobrir esses gritos, um grupo de tucanos puxou o coro de "fora Dilma". 
De lá, Aécio, Alckmin e seu séquito seguiram para o caminhão do MBL. A caminhada foi marcada por gritos de "fora". 
Aécio passou por maior constrangimento quando, ao chegar à tenda do MBL, foi cumprimentar manifestantes:"Ladrão. Você também é ladrão. Você sabe que também é ladrão", disse um rapaz, enquanto Aécio lhe apertava a mão. 
Aécio recuou, conversou com Alckmin e decidiu ir embora, em meio a aplausos e gritos de "fora". 
Após deixá-los na van em que chegaram ao ato, Paulinho da Força minimizou a reação a Alckmin e Aécio. 
Depois admitiu que há muita rejeição a Alckmin. Logo depois desse comentário, um assessor sussurrou ao ouvido de Paulinho que ele deveria ir embora para evitar problemas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário