sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Justiça inocenta Lula de denúncia mentirosa

A Justiça Estadual, através da juíza da Vara da Fazenda do Cabo de Santo Agostinho, julgou improcedente a Ação Civil Pública n° 0008264-61.2013.8.17.0370 para apurar a acusação feita pelo prefeito Vado da Farmácia (PTB) de que o seu antecessor Lula Cabral (PSB) teria deixado um déficit de R$ 97 milhões, em restos a pagar.
Ao saber da denúncia feita por Vado, o PSDB do Cabo de Santo Agostinho ingressou com representação perante o Ministério Público do Estado de Pernambuco, que entrou com a Ação Civil Pública para apurar a suposta improbidade administrativa.
Na instrução processual, o próprio Ministério Público, que foi o autor da Ação, pediu a improcedência, quando vislumbrou que a denúncia feita pelo prefeito era infundada, pois na verdade ficou comprovado que o ex-prefeito Lula Cabral deixou 13 milhões de reais em caixa e não déficit, como acusara o atual prefeito.
“Essa calúnia foi um ato de covardia. Não se deve atacar a honra alheia sem fundamento. Fui vítima de um lixamento moral pelos meus adversários que fizeram panfletos e um jornaleco apenas para denegrir minha imagem, através de uma mentira. Tenho 8 contas aprovadas pelo TCE e pela Câmara do Cabo”, desabafou Lula.
A ação foi julgada improcedente e já transitou em julgado, não cabendo mais recursos. “Graças a Deus a justiça foi feita. A partir de hoje quem insistir em propagar ou utilizar-se dessa mentira como arma eleitoral, será processado”, disparou Cabral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário