terça-feira, 2 de junho de 2015

Dengue: sete mortes confirmadas no Estado

Dois dos óbitos foram registrados no Recife. Outros dois estão em investigação na Capital. Já são mais de 51 mil casos

 

Leo Motta/Folha de Pernambuco
Recife pediu apoio ao Exército para combater a doença e desde o dia 18 de maio há 150 homens ajudando nas ações
Sete mortes por dengue confirmadas neste ano. Sendo duas delas no Recife: um idoso de 77 anos morador do bairro da Guabiraba, Zona Norte, e outro de 32 anos residente na Imbiribeira, Zona Sul. Entre as outras cinco ocorrências, duas foram em municípios da Região Metropolitana (Jaboatão e Paulista).
As demais no interior (ver quadro). Outras 21 mortes estão se sendo investigadas. Os dados foram divulgados na segunda-feira (1º) pela Secretaria Estadual de Saúde e são referentes de janeiro a 23 do mês passado.
O número de notificações em Pernambuco chega a aumento 51.122, um aumento de 507,80% em relação ao mesmo período do ano passado. Desses, 12.736 já foram confirmados. A doença está em todos os 184 municípios, além do território de Fernando de Noronha.
Recife aparece como a cidade com o maior número de casos notificados: 11.092, seguido por Camaragibe e Jaboatão, na RMR, e Goiana, na Mata Norte. Juntos, os quatro municípios somam mais de 35% de todo as ocorrências do Estado. Entre os casos, 50 foram notificados como dengue com agravamento, sendo 41 já constatados.
Arte FolhaPE
As vítimas
Os dois primeiros casos confirmados no Recife ocorreram no início do mês de maio. O aposentado J.S.C.F., de 77 anos, morador do bairro da Guabiraba, deu entrada na UPA de Nova Descoberta, onde faleceu no dia 7. Ele foi diagnosticado com o tipo 3 da doença.
O outro registro, um balconista de 32 anos com iniciais G.J.S.P, morador da Imbiribeira, foi atendido no Hospital Geral de Areias, e depois transferido para o Getúlio Vargas, falecendo no dia 10. Ainda não foi identificado o tipo de dengue que vitimou o segundo homem.
“A maioria dos casos evolui para a cura. Mas também pode evoluir para a morte. Por isso é fundamental que no aparecimento de sintomas como vômito, falta de ar e dores abdominais, a pessoa vá ou retorne para uma unidade de saúde”, alerta a secretária executiva de Vigilância à Saúde do Recife, Cristiane Penaforte.
Em investigação
De acordo com ela, mais dois óbitos estão sendo investigados no Recife, um no Vasco da Gama e outro em Jardim São Paulo. “Desde o momento da suspeita do óbito nós já reforçamos o trabalho de procurar os focos de dengue nessas áreas, mas é importante que as pessoas deixem que nossas equipes possam visitar as casas, acompanhadas com o Exército, para realizar o tratamento e eliminar os focos”, esclareceu. Segundo a secretária, essas ações foram estendidas para os finais de semana para garantir que os profissionais possam encontrar os moradores em casa.
Ações para evitar focos
No Recife, desde a última quinzena de maio, as equipes da Secretaria de Saúde começaram o trabalho, com respaldo judicial, de entrar nos imóveis fechados para realizar a atividade de eliminação de possíveis focos de dengue. No Diário Oficial do Município foram notificados, inicialmente, 388 proprietários de residências onde os técnicos municipais não tiveram acesso.
Essas pessoas tiveram um prazo de 15 dias para autorizar a entrada dos agentes de saúde. A ação começou com os imóveis, a exemplo de terrenos, que não necessitam da presença de chaveiros. Na sequência, a Prefeitura vai utilizar os serviços desses profissionais para abrir os portões de casas que ainda não passaram pelas vistorias. “Precisamos entrar nessas residências para tratar os focos e evitar que o mosquito prolifere”, alertou Cristiane Penaforte.
De acordo com o mais recente Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRA-a), o bairro da Várzea, Zona Oeste, é o com maior número de infestação de mosquitos (índice de 9,1). Na segunda posição está o Alto José Bonifácio (8,8), seguido por Jordão (8,1). As três localidades são consideradas como áreas com um risco muito alto de contaminação.
Saiba mais
Combate
 - Desde do último dia 18 de maio um efetivo de 150 homens do Exército está ajudando nas ações de combate a dengue no Recife. Os militares auxiliam no trabalho dos quase mil agentes de saúde ambiental (ASA), realizando serviço como visitação das residências para a colocação de larvicida e veneno e eliminação de pontos de água parada que representam possíveis focos de proliferação do mosquito Aedes aegypti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário