terça-feira, 10 de março de 2015

Sensibilizado pelo 8 de Março, homem confessa que matou companheira no Cabo

Suspeito teria dito que sentiu remorso por conta do Dia Internacional da Mulher

Peu Ricardo/Folha de Pernambuco

Atualizada às 22h11
A Polícia Civil encontrou o corpo da uma mulher assassinada em Ponte dos Carvalhos, Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife (RMR), na noite desta segunda-feira (09). A vítima, companheira de seu algoz, encontrava-se em um tonel nos fundos da residência, situada no número 80 da rua 05. Jacielma Vieira dos Santos estava coberta de areia no tonel lacrado com arames. De acordo com a delegada responsável pelas investigações, Gleide Ângelo, com remorso por conta do Dia Internacional da Mulher, celebrado no último domingo (08), Wellington Rodrigues da Silva, de 31 anos, natural do Piauí, confessou e indicou o local do crime à Polícia. 

A amante dele, cuja identidade ainda não foi revelada, também mora na residência e será investigada. Ambos foram encaminhados ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no Cordeiro, Zona Oeste do Recife. O personal trainer foi autuado em flagrante pelo crime de ocultação de cadáver e vai responder ainda por homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e sem chance de defesa da vítima. Ele segue para o Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima. Jacielma deixou uma filha de quatro anos de idade que teve com o ex-companheiro.
O crime contra a vida da assistente de logística teria ocorrido entre o final de setembro e início de outubro de 2014. Em depoimento prestado na Delegacia de Ponte dos Carvalhos, o assassino informou que mulher teria sido morta por sufocamento durante uma relação sexual, porém os policiais encontraram um corte de um lado ao outro do pescoço da vítima. Wellington só decidiu revelar a história porque teria ficado sensibilizado por reportagens veiculadas na imprensa a respeito do dia 8 de Março. De acordo com Ângelo, os vizinhos informaram que o casal brigava constantemente e que Wellington era violento. Ele nega.
Peu Ricardo/Folha de Pernambuco
Suspeito teria cometido o crime em setembro de 2014
“Ele disse que ela resolveu sair do emprego, que iria para a Bahia sozinha e deixaria a filha com ele. Justamente no dia dessa viagem ela morreu”, afirmou a delegada. “Ele disse que eles foram se despedir. Que foram fazer sexo e que, sem querer, deu-lhe um mata leão e ela morreu asfixiada”, declarou. Segundo a delegada, ao questioná-lo sobre o corte no pescoço encontrado pela perícia, ele afirmou que teria tentado reanimá-la por três horas e depois resolveu esquarteja-la, começou pelo pescoço, porém achou muito complicado e resolveu colocá-la no tonel. Alguns vizinhos acharam a situação estranha e ligaram para o disk denúncia. “A Polícia ainda foi lá, olhou a casa toda, mas achava que era droga, em nenhum momento achou que era um homicídio, porque ela é de Minas Gerais e nenhum familiar registrou o desaparecimento”, afirmou Gleide.
A outra mulher, com quem ele tinha um relacionamento há dois anos e meio, foi morar com o assassino e com a filha da vítima. Em dezembro, Wellington resolveu levar a criança para morar com a avó paterna em São Paulo. Viajou com a menina e só retornou sozinho há uma semana e meia, conforme relatou para a delegada durante o depoimento. Nesse período, a outra mulher ficou na casa dele. “Ela estava morando na casa onde estava o corpo da outra até agora. A mulher nega, diz que não sabia de nada. A gente ainda está investigando para saber se ela tem alguma participação”, declarou. De acordo com Ângelo, as informações ainda são muito contraditórias.

  Do FolhaPE, com informações de Rodrigo Passos, da Folha de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário